sexta-feira, 18 de julho de 2014

TREZENTOS


Não é dos espartanos a referência
Mas de homens simples, um libertador
Que aprendeu e como ele provou a Ti Dependência.

A história repetida já contava
Por se afastar de Ti o inimigo ao povo dominava
Nada resistia, tudo era devorado
Escondidos em cavernas, o medo acampava.

Como expressar tamanha experiência
De um covarde, escondido
Chamou de Valente,
"Eu sou contigo"!

Reafirma o seu valor e confirma com sinais
Mesmo se achando incapaz, inferior
Fez dele um Corajoso líder de valor!

Juntou multidão e logo entendeu que não era quantidade
Logo os medrosos foram embora
Observou os Atentos
E os separou sem demora

Armas limpas e bem claras, livres de sangue
O poder inimaginável da sua presença

Acordados e em perfeito juízo
Livres de nós, do nosso próprio orgulho
Enxergando além do filtro

A menor pena que cai é ouvida
E não há medo de falar..sem ser tímido
Ser como Tu és..

Seguir o longo caminho, o conhecimento das palavras
Servir o tempo todo...sem olhar o retorno..
Começar ao redor, vencer por Ti
E ser capaz de ir tão longe..sem limites
Onde só tu podes levar..
"E que os Valentes de hoje são os que Dependem de Ti".